1 (1)

A produção artesanal resulta em peças únicas porque o seu processo de criação é carregado sempre de muita personalidade e troca de energia. Não é a toa que ao ganhar um produto feito a mão, nós vemos que o valor vai além de sua materialidade. E ninguém melhor do que Cris Paranhos, da ManüMonuMei, com produtos cheios de estilo para nos contar como é criar cada peça e ainda nos dar dicas de como se inspirar naqueles momentos que a criatividade resolve dar uma voltinha. Veja como ela costurou ideias e paixões e criou um lindo cachepot:

“Meu processo criativo nem sempre segue um roteiro muito certinho, mas algumas etapas seguem mais ou menos esse caminho: escolha do material e mão na massa! Mas antes, eu tento sempre imaginar a peça que vou criar. Separo as ferramentas que vou usar, penso nos pontos que vou fazer, no tipo de agulha e cores dos fios. Algumas vezes essa etapa, de pensar em cores e formas, passa pelo papel com canetinhas coloridas e folha quadriculada. Isso me ajuda também a entender melhor as combinações e errar menos antes de tecer. Nem sempre funciona assim, as vezes faço de primeira e vou embora, mas dependendo do projeto é legal ter uma prévia de como vai ficar. Acontece também de mudar tudo e desmanchar o trabalho se vejo que não está ficando bonito.

Já com os fios que escolhi (hoje vou fazer um cachepot para plantas), sento em um lugar confortável e começo a construir minha peça. O legal do crochê é que é uma técnica que você pode fazer em qualquer lugar. Gosto muito de ficar ao ar livre e deixar o tempo passar. As vezes, quando sei que vou ficar parada e terei que esperar (fila de banco, metrô, médico), levo minhas agulhas e linhas na bolsa e adiantando o meu lado. Não consigo ficar sem mexer com as mãos (muito doido isso!). Ultimamente até pra ver televisão preciso chochetar. Se tornou um vício que amo!”

2 (1)

“Como sou bastante inquieta (não é a toa que o slogan da ManüMonuMei é “inquietações feitas à mão”), todo esse processo de criar e fazer com as mãos é algo que me equilibra também.

Fazer crochê pra mim é de certa forma uma terapia e é quando eu deixo fluir minhas ideias e reflexões. O ‘tico e teco” batem o maior papo! Os pontos são bastante repetitivos e acabo entrando num fluxo maluco de pensamentos e movimentos que a imaginação vai longe. Tenho muitas ideias de projetos enquanto faço crochê. Se tornou um vício que amo!”

3 (1)

“Uma das coisas que percebo enquanto estou tecendo é que quando não estou num dia legal preciso dar uma pausa. Nem sempre estamos inspirados ou acordamos saltitantes de alegria, não é verdade? Faz parte da vida e de qualquer processo criativo. E esse respiro é sempre necessário. Paro, levando, dou uma volta faço um café, bebo água…sei lá…mudo o foco e depois recomeço.
Tudo que fazemos com as mãos possui uma energia e com certeza vai refletir no que se está fazendo (seja qual for a sua atividade). Quem recebe alguma peça da ManüMonuMei, estará recebendo um pouco de mim. Acredito muito nisso e tento trazer para o meu trabalho todas as coisas boas que sinto!”

4 (1)

“Voilà! O tempo passou tão rápido e o cesto tomou forma. Cachepot de plantas ou cesto multuso. Tanto faz! :-)”

Nós adoramos todas dicas e adoramos mais ainda o cachepot que a Cris fez. E você, se inspirou nessa história? Conta pra gente!

Confira mais da ManüMonuMei:
Instagram | Site | Facebook

0

Beatriz Figueiredo

facebooklinkedininstagram

Produtora de conteúdo criativo